quarta-feira, maio 20

Moedas para totós | INGLATERRA

Quando era pequena, e os meus pais me levavam até à fronteira entre Portugal e Espanha, não conseguia perceber a diferença entre os dois lados daquela linha imaginária. Eles bem diziam “agora estás em Espanha”, no estrangeiro como a maioria gosta de chamar ao resto do mundo, mas para mim era tudo igual.
Hoje em dia quando viajo para o estrangeiro já consigo ver as diferenças culturais, umas mais óbvias, como a língua e a moeda, e outras de que nos vamos apercebendo com o tempo.  
A minha luta com as libras começou quando se acabaram as notas e não havia mais espaço na carteira para moedas. Pois bem, quando se tem notas é relativamente fácil, pois o algarismo da quantia é bem visível, é só sacar da nota e confiar na matemática de quem nos dá o troco. A coisa piora quando se acabam as notas e temos de começar a usar as moedas. Aí temos duas hipóteses: a) ficamos meia hora a virar as moedas de um lado para o outro, b) espalhamos as moedas e esperamos que a pessoa tire as que quer, e mais uma vez tudo na base da confiança. Como não gosto de fazer ninguém perder tempo, e sou um pouco desconfiada, achei que devia “estudar” as moedas. A primeira reação é: que estupidez, esta gente faz uma moeda de 2 centavos maior que uma de 1 libra (todos sabemos que no euro quanto menor for a moeda menor é o valor). A segunda reação é: ahh que engraçado, afinal até é fácil! 

Aqui fica a dica:



  • As moedas que correspondem a £1 e £2 libras são fáceis de identificar: a de £2 é muito semelhante à de 2€ e a de £1 distingue-se pela cor e pela grossura.
  • Depois vêm as esquinadas cuja mais alta (50pences) é maior que a seguinte (20 pences).
  • Na 3ª categoria são redondas e a lógica é a mesma: a de 10pences é maior que a de 5pences. 
  • E por fim vêm as “pretas” com a mesma lógica, 2pences maior que a de 1pence.


A 4039 km de distância, e com a carteira mais vazia,
Filipa